Num Cruzeiro durante o COVID-19

Olá a todos!

Este é o primeiro artigo que escrevo para após estar embarcada no meu novo navio AIDAperla.

Tem sido uma experiência bastante diferente da que tive no passado e por essa razão bastante enriquecedora.

Tem-me também faltado o tempo para vos escrever.

Deixo aqui uma breve atualização:

A chegada ao navio:

Primeira reação? “O navio é simplesmente gigante!”

Nos primeiros dias em não sabia onde era nada, para onde tinha de ir ou fazer. Totalmente perdida, eu confesso. Até na ponte do navio fiquei super atrapalhada. Tantos comandos, telefone sempre a tocar de todo o lado, mais oficiais da ponte do que a tripulação toda do meu navio anterior.

Habituar-me ao navio:

Apenas passada uma semana é que reconheço que deixei de estar tão desamparada. Descobrir os cantos do navio, domar este espaço desconhecido e acostumar-me ao novo ambiente foi desafiante. Comecei também a criar laços com os meus colegas e rapidamente me ajudaram a aprender e a desenvolver os conhecimentos necessários para executar o meu trabalho na perfeição.

Locais que visitei:

Uma das vantagens de literalmente embarcar numa aventura destas é realmente viajar e conhecer locais daqueles que “só se vêm nos filmes”.

A rota do meu navio era nas diversas ilhas das caraíbas:

  • La romana- República Dominicana
  • Oranjestad;
  • Willemstad
  • Kralendijk
  • Saint George’s
  • Bridgetown
  • Kingstown
  • Castries
  • Roseau
  • Poine-a-Pitre
  • John’s.

Visitei praias paradisíacas onde o azul do mar espelha o céu ao longe e de perto as águas se tornam translúcidas. Visitei as zonas turísticas e aproveitei também para conhecer o comércio local. Também aproveitei para fazer umas pequenas compras para mim e para a minha família como recordação.

Infelizmente não tive a possibilidade de visitar todos os destinos pelos quais o AIDAperla passou mas visitei as que considerei mais importantes.

Exercício físico inerente:

No meu primeiro mês aqui fiz Cross Training passando por vários trabalhos sem serem aqueles que a minha profissão exige, ou seja, sem ser ponte.

Passei pelo convés, executando vários trabalhos relacionados com manutenção e segurança, passei pela equipa de bombeiros do navio, pelo hospital e pela casa da máquina. Para ser uma boa piloto tenho que conhecer todas as áreas essenciais para a correta e segura navegação.

COVID-19:

Agora, devido à pandemia do COVID19 estou neste momento num cruzeiro sem passageiros, num cruzeiro sem destino.

Estamos sem passageiros desde dia 18 de março, e é triste porque o navio não é a mesma coisa sem eles. Cá a bordo, porém, tenho a certeza de que eu e todos os meus colegas estamos em segurança.

Para nós o COVID significa estar a maioria do tempo ancorados em Bridgetown, Barbados. Ainda sem data de regresso à Europa, por enquanto ficamos por aqui. O trabalho num cruzeiro não pára e confesso que não me posso queixar da vista.

Desejo muita força a todos neste momento difícil, e lembro-vos que não interessa o quão má a tempestade possa ser, eventualmente ela passa.

#FicaEmCasa

You may also like

1 comentário

  • Olá Bárbara, ótimo lugar para se estar de quarentena, Barbados 🙂

    Nos Açores, ilha Terceira, também não se está mal 🙂

    bom embarque, boa quarentena

    bjs

    Tarcísio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *