Visita ao Museu Marítimo de Ílhavo

No artigo de hoje irei falar-vos da minha visita ao Museu Marítimo de Ílhavo (MMI).

O Museu:

O museu nasceu a 8 de agosto de 1937 e começou por ser apenas um local onde se guardavam histórias dos seus habitantes.

Em 2001, o museu foi renovado e ampliado, mudando-se para as atuais instalações.

Os seus objetivos também cresceram, uma vez que este agora visa contar aos portugueses um pouco sobre a nossa cultura de mar e a nossa identidade marítima.

Além de museu, é também um espaço dedicado à investigação e serve de casa a um grupo de bacalhaus.

A minha visita:

Visitei este museu no âmbito de uma visita de estudo que fiz com a minha escola, a ENIDH. Não conhecia este espaço, e visitá-lo foi uma agradável experiência.

A primeira sala do museu tinha um modelo de um navio bacalhoeiro e a simulação de como seria o seu convés e interior.

O nosso guia começou por nos contar algumas curiosidades acerca das pescas, e eu vou partilhar com vocês as que achei mais interessantes.

Curiosidades:

No período do estado novo, quem fosse a pesca durante 6 anos, estava isento de ir à guerra do ultramar, visto que era considerado equivalente.

Nesta época as pessoas iam para a pesca a partir dos 12 anos e os pescadores descansavam 4 a 5 horas por dia.

Os conhecidos lugres Creoula e SMM levavam cerca de 100 pescadores.

Dentro destes navios, que eram as embarcações principais onde as pessoas viviam, existiam as pequenas embarcações onde os pescadores procediam à pesca propriamente dita.

Estas pequenas embarcações eram as Doris e eram da responsabilidade do pescador que a levava. Cada uma conseguia carregar cerca de 180Kg de bacalhau.

Para chamar os pescadores para a embarcação principal, era utilizado um búzio ou um corno.

Nestas duras viagens, que poderiam durar 6 meses, os pescadores dormiam na cozinha para que não arrefecessem tanto durante a noite.

Existia uma cerimónia que era a bênção dos bacalhoeiros, que além de servir para lhes desejar sorte, servia também para enaltecer Salazar e os feitos dos portugueses.

A comida dos pescadores era pão com azeitonas e bacalhau frito.

Estimam-se que as mortes tenham chegado a 5% dos pescadores que iam para o mar.

 

Outras embarcações:

No MMI também existem estas embarcações em exposição.

Alguém sabe identifica-las? 😀

Coleção de conchas:

Nesta parte do museu, podemos apreciar uma grande coleção de conchas trazidas de várias partes do mundo.

previous arrow
next arrow
Slider

 

O tanque de bacalhaus:

Esta foi uma das mais recentes aquisições do museu.

Ter um tanque de bacalhaus é uma ideia muito interessante, uma vez que muitas pessoas não têm noção do aspeto propriamente dito de um bacalhau.

Eu adorei a visita! 😀  Espero que também tenham gostado de ler sobre ela! 😉

Podem visitar o site do museu aqui!

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *